Parque Municipal Gruta do Bacaetava

WebMaster 23 de maio de 2012

Parque Municipal Gruta do Bacaetava

 

A descoberta e a municipalização

A Gruta do Bacaetava foi descoberta quase por acaso.
Culpa do imigrante italiano Antonio Gasparin, que em meados do século XIX, ao preparar o terreno para o plantio, surpreendeu-se com esta gruta de rara beleza.

Encantado com o lugar, Gasparin tratou logo de espalhar a novidade. E em pouco tempo, amigos e parentes faziam o mesmo, transformando a gruta numa das atrações da região.

Quando, por fim, chegou a hora de partilhar seus bens, o velho Gasparin, a fim de não privilegiar nenhum de seus flhos, doou o terreno da gruta para a Igreja Matriz de Colombo. A paróquia, por sua vez, doou à Santa Casa de Misericórdia de Colombo que o vendeu ao município, o que fez da Gruta do Bacaetava um patrimônio de todos os colombenses.

A Gruta do Bacaetava

Divulgação, visitação e depredação

Hoje, a Gruta do Bacaetava constitui o patrimônio espeleológico mais importante da região. Ela encontra-se registrada no Cadastro Nacional de Cavidades Naturais Subterrâneas da Sociedade Brasileira de Espeleologia (SBE) sob nº PR-0003.

O primeiro registro formal da Gruta do Bacaetava é de 1889, quando em Sebastião Paraná,  é relatada a visita do amigo Olympio de Sá, antigo morador da região, à caverna. Anos depois, o livro “O Município de Colombo”, do historiador Sebastião Ferrarini, destaca que “a caverna mais visitada em Colombo e uma das principais existentes no Paraná é a de Bacaetava, que se localiza em bairro de mesmo nome”.

Com tanta beleza e acesso fácil, a Gruta passou a receber, desde então, mais e mais visitantes. E toda essa repercussão, logo mostrou seu outro lado, com a depredação do local. Lixo se acumulava em toda parte, pichações eram feitas no interior da caverna, estalagmites e estalactites eram destruídos, bem como a flora e fauna nativa. Uma situação que só foi revertida com a criação do Parque Municipal.

 

O parque e seus objetivos

Com a preocupação de proteger tão importante atrativo turístico natural, foi criado por decreto municipal e inaugurado em 13 de maio de 2000, o Parque Natural Municipal Gruta do Bacaetava.

Com uma área de 173.502,45m², o Parque tem como objetivo:
• Conservar em estado natural uma amostra do patrimônio espeleológico da região
• Recuperar e conservar a cobertura vegetal nativa
• Proteger integralmente a fauna, a flora e demais recursos naturais
• Fomentar atividades de pesquisa científca
• Possibilitar atividades de recreação, educação e conscientização ambiental

 

Estrutura de visitação

Com o apoio do MMA (Ministério do Meio Ambiente), a Prefeitura de Colombo implantou uma infraestrutura para atendimento e visitação, de maneira a atingir os objetivos do parque e garantir segurança aos visitantes. A estrutura do Parque conta com:

Mapa - Gruta do Bacaetava em Colombo

1. Centro de Visitantes

Com recepção, sala de exposições, sala de educação ambiental, escritório e sanitários, o Centro de Visitantes é o ponto de entrada do Parque. Aqui grupos de até 20 pessoas são conduzidos por um monitor ambiental para visitação à gruta.

2. Trilha

Do Centro de Visitantes até a Gruta, percorre-se aproximadamente 140 metros de trilha, (dos quais 40 metros) que passam por um bosque formado com plantas nativas da região. A trilha tem o objetivo de direcionar os visitantes, de maneira a evitar a degradação do solo.

3. Gruta

Os visitantes adentram cerca de 170 metros no interior da caverna, dos quais 103 metros são percorridos em passarelas, de onde podem vislumbrar as incríveis formações existentes na Gruta. Outros 14 metros de passarela se encontram fora da caverna.

4. Área de lazer

Lanchonete e três quiosques com churrasqueiras em meio à vegetação, permitem atividades de lazer em contato com a natureza.

5. Capela

A Capela em louvor à N. S. de Lourdes, resgata um dos aspectos históricos do lugar, já que desde o fnal do século XIX são realizadas manifestações religiosas no interior da Gruta. Com a capela, respeita-se a tradição sem causar danos ao patrimônio natural.

 

Horário de visitação

Quarta a Sexta-feira – 8h30min às 11h30 – 13h às 16h30
Sábados, Domingos e Feriados – 8h30 às 16h30
Sendo que o último horário permitido para a entrada no parque é as 16h.

 

Fauna e flora

A região do Bacaetava forma um rico ecossistema de espécies animais e vegetais.

Só no interior da Gruta foram registradas 39 espécies da fauna, como os artrópodes das Classes Arachnida (aranhas e opiliões, além
de uma espécie de carrapato parasita de morcegos), Diplopoda (piolhos-de-cobra), Crustacea (tatuís), Insecta (grilos, besouros, mosquitos e formigas, etc), além de minhocas (Classe Oligochaeta) em bancos de sedimentos do rio.

Outro habitante importante do local é o morcego da espécie Chrotopterus auritus. Como se alimentam de pequenos vertebrados e de insetos, é possível observar, ao entardecer e ao amanhecer, a revoada de morcegos que saem em busca de alimento. Para não interferir no comportamento desses animais ou gerar sustos e acidentes, a visitação à gruta é limitada ao período entre 8h30 e 16h30
Número de visitante  é limitado, no verão 260 pessoas/dia, no inverno, 240 pessoas/dia.

Situado no Primeiro planalto paranaense, a região da Gruta está no domínio da Floresta Ombrófla Mista (Floresta de Araucária).
Essa formação caracteriza-se, principalmente, pela presença do pinheiro-do-paraná. Associadas, ao pinheiro-do-paraná, aparecem espécies importantes, como imbuia (Ocotea puberula), cedro (Cedrela fssilis), erva-mate (Ilex paraguariensis), congonha (Ilex theezans), pinheiro-bravo (Podocarpus lambertii), aroeira (Schinus terebinthifolius), bracatinga (Mimosa scabrella), pessegueiro bravo (Prunus silvestris), caroba (Jacarandá puberula) e tarumã (Vitex megapotamica). Entre as árvores frutíferas, é comum observar a presença de araçá, uvaia, guavirova, pitanga, guamirins, entre outras.

 

Morcego, esse camarada.

Morcegos - Gruta do Bacaetava Colombo - PROs hábitos noturnos e o título de “chupadores de sangue” transformaram os morcegos em alvo de lendas e histórias macabras. Porém, dentre as 987 espécies, apenas três alimentam-se de sangue. Na verdade, os morcegos desempenham um importante papel no equilíbrio dos ecossistemas, pois se alimentam de insetos, ajudando a controlar as populações e os prejuízos nas lavouras. Os que se alimentam de pequenos animais, como ratos, contribuem para o controle de pestes urbanas. Além disso, eles também ajudam na reprodução de mais de 500 espécies de plantas, que têm suas sementes “espalhadas” nas fezes dos morcegos.

 

Como a gruta se formou

A Gruta do Bacaetava é resultado da dissolução do calcário pela ação das águas carregadas de ácido carbônico. Sua formação deu-se ao longo de milhares de anos, por um processo que começa na atmosfera, onde o ácido em suspensão é levado ao solo pelas chuvas. A infltração dessas águas dá-se através das fssuras das rochas calcárias. Aí ocorrem reações químicas e essas fssuras aumentam transformando-se em canais subterrâneos que vão se unindo e aumentando de tamanho constantemente até a formação da gruta como a conhecemos hoje.

A Gruta tem aproximadamente 600 a 700 milhões de anos, e encontra-se ainda em formação, o que pode ser constatado pela presença do rio no interior da gruta e pelo constante gotejar e o escorrimento de água no teto e nas paredes da caverna. A água que goteja do teto é saturada de bicarbonato de cálcio. Com a evaporação de cada gota d’água, precipita-se o carbonato de cálcio que aglutina diversas substâncias como sílica ou argila, fcando suspenso primeiro no teto depois no piso onde uma crosta vai tomando a forma cilíndrica ou cônica. À crosta pendente no teto dá-se o nome de estalactite e a que se eleva do solo é denominada estalagmite.
Após vários anos, estalactite e estalagmite se fundem formando belíssimas colunas.

Entre  outras  formações  presentes  na Gruta  do  Bacaetava  há  a  “for  do calcário”, que aparentam “couves-fores” formadas por calcário. As represas de travertino são formadas pelo movimento ondulatório da água que desce por fendas existentes no teto da caverna. Em épocas de chuva constante, permanecem repletas de água.

Foto - Gruta do Bacaetava

O desenvolvimento dessas formações depende da quantidade de água e de seu teor de sais, de modo que é muitíssimo variável o tempo necessário ao crescimento. Em algumas partes da gruta as formações crescem a razão de um metro por século, enquanto em outras são necessários milhares de anos para que atinjam esse comprimento.

Ao quebrarmos alguma dessas formações ou simplesmente se tocarmos em alguma gota d’água estaremos interferindo no trabalho de vários anos da natureza. Por isso, é imprescindível que não se toque em nenhum ponto das formações para que se garanta a conservação desse patrimônio às futuras gerações.

 

Você em contato com a natureza, respeitando o meio ambiente.

Imagem Sabiá - Gruta do BacaetavaUm dos aspectos mais importantes das áreas silvestres é a capacidade que elas têm de nos transmitir harmonia, energia e paz. Basta uma rápida visita para sentirmos o corpo e o espírito mais leves e tranquilos, prontos e renovados para enfrentarmos o nosso dia a dia.Para nunca perder essa qualidade de vida, é preciso, antes de tudo, respeitar e preservar a natureza e todos que nela vivem. Por isso, informe-se com os funcionários do Parque e respeite suas recomendações. A Gruta do Bacaetava é um patrimônio de todos nós.

 

 

 

Gruta do Bacaetava - Colombo - PR

Gruta do Bacaetava - Secretaria de Turismo